A Homossexualidade ainda é pecado

“Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis; nem os fornicadores, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os que abusam de si mesmo com os do sexo masculino, nem os ladrões, nem os cobiçosos, nem os bêbados, nem os difamadores, nem os extorquidores, herdarão o reino de Deus”. 1 Coríntios 6:9-10 BKJ

Vivemos em uma época em que somos testemunhas do grande colapso da moral desde a aurora da era moderna. A homossexualidade, o pecado “escondido”, em anos recentes emergiu como um estilo de vida aceitável e uma força poderosa na arena política. Entre todos os pecados morais, anteriormente este era considerado o mais vil, sendo contrário a biologia física e antinatural. Hoje centenas e milhares publicamente ostentam e desfilam pelas ruas. As leis nas nações civilizadas são criadas para punir qualquer pessoa que fale contra essa prática.

À luz destes desenvolvimentos, o que deve fazer o povo temente de Deus? É o tempo de “nos adequarmos ao tempo” e reexaminar nossa teologia? Deveríamos interpretar a opinião bíblica sobre o tema debaixo da luz das construções sociais modernas e psicológicas? Acaso deveria ser nosso guia neste assunto a lei do país? Apesar que está ficando rapidamente cada vez mais impopular dizê-lo ( e em alguns lugares inclusive francamente perigoso), a homossexualidade ainda é pecado. Tão certo como que a Palavra de Deus é a verdade, seu julgamento sobre este assunto é claro e não mudou com o passar dos tempos.

“Não te deitarás com o homem, como se fosse mulher: isto é uma abominação”. Lev. 18:22 BKJ “Se um homem também se deitar com homem, como ele se deita com uma mulher, ambos cometeram abominação”. Lev. 20:13 BKJ. Também veja Gên. 19:4-8, Jz 19:22-25, Rom. 1:24-27 e 1Tim. 1:10 em contexto.

Hostes Espirituais da maldade, nos lugares celestiais

Paulo nos diz em Efésios 6:12 que nossa batalha é contra as hostes espirituais da maldade nos lugares espirituais. Suas palavras não poderiam haver sido aplicadas mais adequadamente como que para o nosso tempo. Não somente estamos lutando com as hostes nos lugares celestiais, senão também nas próprias instituições que deveriam proteger-nos a moralidade – a assim chamada igreja e estado. Quanto a pergunta acerca da homossexualidade, ambos estão se transformando rapidamente em vítimas da impiedade e atitudes da intolerância para com quem se atreva a manter o ponto de vista bíblico sobre sua pecaminosidade. Várias denominações protestantes cederam sobre este tema, aceitando isso como uma preferência sexual normal e ordenando abertamente ao clero, homossexuais. A igreja episcopal, metodista e presbiteriana são alguns dos assim chamados corpos cristãos atuais que toleram essa prática.

Em relação ao estado, o casamento homossexual recentemente há sido defendido pelo ex – presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e está tomando tremendos passos nos sistemas legais dos EUA e de outras nações ocidentais. Em algumas já foi legalizado. Os cristãos acusados de intolerância por não aceitar a prática abominável de braços abertos, estão perdendo seus direitos de livre expressão neste assunto. Os homossexuais, lésbicas, bissexuais e transgêneros podem desfilar pela cidade, e isso é considerado como um triunfo para os direitos humanos. Porém, se os cristãos se reúnem para expressar sua opinião são representados como inflexíveis sem esperança defendendo ideias antiquadas e como pessoas que se escandalizam facilmente.

Porém, silenciar a voz da razão e piedade sobre este tema não muda a verdade eterna de Deus. A homossexualidade ainda é pecado. Homofobia?

Em resposta aos sentimentos justamente negativos das pessoas havia a homossexualidade, aos que escolhem participar neste estilo de vida têm marcado um termo – homofobia. Com este rótulo tentam reduzir a verdade racional sobre sua conduta antinatural e atrações a um mero temor. Eles aplicam este termo a qualquer que se opõem a eles, como se sofressem de uma paranoia de algo que eles não entendem racionalmente. Este é um nome penosamente equivocado. Os que se opõem a homossexualidade não têm temor a homens nem a mulheres, independentemente de seus pecados. Nós queríamos que fossem libertos do pecado e pudessem viver para o propósito sublime para o qual foram criados. Queríamos assim como Paulo disse: “Que apresentemos todo homem perfeito em Cristo Jesus” (Col. 1:28 BKJ). Não, não somos homofóbicos. Vamos nos arriscar a cometer o que eles chamam de crime de ódio para arrebatar almas da perspectiva do inferno. Isso é coragem, não temor. É o verdadeiro amor por homens e mulheres, não ódio.

Este apelo é somente um exemplo mais dos que se deitam com outros homens tomando um termo fora de contexto para cumprir seus propósitos. O termo “gay” antes era uma palavra comum para jovialidade ou alegria. Agora, se aplica para denotar a alguém que pratica tal estilo de vida homossexual. O termo homossexual se fez para eles sabor amargo por haver tido durante muitos anos uma conotação negativa. Inclusive na América, os meios de comunicação têm tomado esta guerra de palavras ao lado da homossexualidade. Eles constantemente se referem ao heterossexual como “heterossexual”. Porém, quando falam de homossexuais, quase sempre se referem a eles como “gays”. Por quê? Para tratar de retirar a censura do pecado. Nisso eles falham. Aqueles que praticam a homossexualidade não são “gays” no sentido original. “Para o perverso, diz o meu Deus, não há paz” (Isa. 57:21 BKJ). E a alma sem paz é infeliz e miserável. Este estilo de vida ainda é pecado, independentemente do que digam os meios de comunicação liberais e a opinião pública.

Sim a verdade foi conhecida, existem poucas pessoas tão temerosas e intolerantes como os defensores da homossexualidade. Eles querem liberdade de expressão, mais buscam ativamente a restringindo a outros. Os cristãos nos EUA enfrentam a perspectiva real de crimes de ódio na legislação sendo usados contra eles com respeito a esse assunto. Os cristãos em outros países já pagaram o preço. Quem na verdade é intolerante?

Sua própria versão

Bem poderíamos reexaminar nossa teologia ou interpretação dos textos bíblicos, porém, se formos honestos com Deus e conosco ainda chegaríamos a mesma conclusão. Homossexualidade ainda é pecado, e nenhuma relação dessas é ordenada, abençoada, nem aceita por Deus nosso Criador.

Ainda assim, em seu desespero para justificar suas praticas pecaminosas, os defensores da homossexualidade realmente têm publicado sua própria versão das Escrituras, Chamada Queen James Version (Versão Rainha Tiago). Nas palavras dos editores, eles “editaram aqueles oito versículos [os quais tratam da homossexualidade] de tal maneira que a interpretação do homofóbico seja impossível”. Pois, suas meras palavras comprovam a desonestidade de seu trabalho. Acaso alguma tradução da Bíblia se há exposto por si própria tão obviamente parcial a um ponto de vista mundial em particular? Nem mesmo as Testemunhas de Jeová são tão francamente honestas das intenções da sua tradução. E o mesmo quer dizer, “nós a propósito torcemos as palavras ou versos para dizer o que queremos que signifiquem, e assim já não a podem usar contra nós!” Porém, a Palavra de Deus está estabelecida no céu para sempre. Qualquer um pode cortar e colar, arranjar ou francamente acrescentar e retirar tudo o que ele ou ela queira, mais isso não muda o que Deus originalmente disse. Homossexualidade ainda é pecado.

A conclusão do tema

A Igreja de Deus é a única esperança para um mundo empenhado e submisso na imoralidade e ignorância voluntária. Esta verdade, da qual ela é coluna e apoio, permanecerá para sempre. Quando os ativistas orgulhosos, eleitores e juízes da terra pereçam no derrocamento definitivo de todas as coisas humanas, e quando suas câmaras legislativas superiores desmoronem no caos e pó, a verdade e aqueles que a obedecem, permanecerão. Sim, a homossexualidade ainda é pecado ( e temos a segurança pela imutável Palavra de Deus que assim a é) então multidões estão destinadas a se perderem por ela. Não nos atrevemos a suavizar nossa postura sobre o tema. Não nos atrevemos a fazer que a lei do país ou noções equivocadas de psicólogos e apologistas pecaminosos seja nosso ponto de referência para a interpretação da verdade bíblica. Teremos que arriscar os efeitos e o ataque militante de seus sustentadores para pregar a verdade. Com a ajuda de Deus o faremos.

Deixe um comentário