Preciosa é à vista do Senhor

SUSAN MUTCH

precious-in-the-sight-of-the-lord-image

 A morte, segundo as escrituras sagradas, é o último inimigo do cristão — a batalha final, a dificuldade final — antes da tão esperada libertação do peregrino desta vida mortal para alegrias além, indescritíveis.

Há seis milênios, a queda de Adão tem levado todos os homens às portas da Morte. “Nenhum homem que tenha domínio sobre o espírito, para reter o espírito; nem tampouco tem ele poder sobre o dia da morte; como também não há licença nesta peleja.” Eclesiastes 8:8. Basta dizer — ninguém pode conter a Morte. Ela virá. Esses compromissos podem chegar a qualquer idade, a qualquer momento (muitas vezes sem aviso prévio), e a Morte executará seu propósito de uma de suas várias maneiras.

O homem vai querer um amigo naquele dia, pois aqui, até homens fortes falham por medo. A própria aproximação desse temido inimigo faz muitos corações desmaiarem. Tão poucos, tão poucos

preparam a alma para esta viagem que espera a todos. Eles sonharam em não ser, mas a Palavra ainda ecoa — “Não há licença nesta peleja”. O poder de uma pessoa, o dinheiro de outra? Menos do que nada agora!

O sofrimento é difícil para todos. Nossos corações são tocados com paixão por qualquer pessoa em sofrimento físico, seja ele quem for. Mas para o cristão, para o homem bom, nunca será mais do que ele pode suportar, pois ele confia em Deus, que o preservou com segurança através de todas as dificuldades e aflições da vida até esta hora.

“MELHOR é a boa fama do que o melhor unguento, e o dia da morte do que o dia do nascimento de alguém.” Eclesiastes 7:1. Aos olhos de Deus, quem tem bom nome senão aquele que vive para Sua glória e caminha em Sua santidade? E, quem, senão um verdadeiro cristão, aquele que foi santificado pelo sangue do Cordeiro, pode considerar o dia da sua morte melhor do que o dia do seu nascimento?

“Um bom nome é melhor do que um perfume finíssimo, e o dia da morte é melhor do que o dia do nascimento. É melhor ir a uma casa onde há luto do que a uma casa em festa, pois a morte é o destino de todos; os vivos devem levar isso a sério! A tristeza é melhor do que o riso, porque o rosto triste melhora o coração. O coração do sábio está na casa onde há luto, mas o dos tolos, na casa da alegria. É melhor ouvir a repreensão de um sábio do que a canção dos tolos. Tal como o estalo de espinhos debaixo da panela, assim é o riso dos tolos. Isso também não faz sentido.”

O céu é o objetivo do cristão e a esperança fervorosa. Por isso, eles vivem e trabalham e sofrem de boa vontade. Mas que carruagem ardente é aquela que os carrega para lá!

Que pai não se emociona com compaixão com o sofrimento de seu filho? Todos podem esperar; a essa criança ele deve atender. O seu coração já pulsou com amor mais profundo e anseio ao ver o rosto pálido do seu estimado ente querido? Ela dorme, ela levanta, ele observa — e ele se lembra. Ele se lembra do dia do nascimento dela e da alegria exaltante de ver o rosto dela pela primeira vez. Ele se lembra dos primeiros passos dela, da doçura de seu sorriso, de seus abraços apertados. Ele se lembra do quanto ela confia e ama seu pai. As lágrimas do pai fluem, suas orações ascendem.

Santos e confiantes santos de Deus, podemos até começar a compreender as compaixões do nosso Pai Celestial enquanto Ele assiste aos Seus tesouros enquanto enfrentam a sua última e grande batalha? Ele sabe que nós nunca morremos antes. É um território novo, e nós somos tão frágeis. Ele, que intercedeu por Seus filhos (Hebreus 7:25) durante toda a sua peregrinação, se compadece de sua moldura e intercederá por eles na hora da mais profunda necessidade. Se os olhos não fossem dados para perceber o reino sobrenatural, os anjos celestiais seriam contemplados, coroados sobre o leito do cristão. E como estava muito perto da presença de Deus!

Enquanto sobre esta terra, em um corpo formado como o nosso, Jesus sofreu uma morte agonizante. Ele compreende a extremidade física da dor. (Quem, senão aqueles que conheceram o sofrimento, pode sentir as mais profundas compaixões pelos outros em condições semelhantes?) Ele morreu uma morte extremamente difícil e agonizante — a dor que se agarrava, disparando em todo o Seu corpo dilacerado e perfurado; o sentimento horrendo de asfixia ao respirar, tornou-se seriamente difícil. Quem melhor poderia “será nosso guia até à morte?” (Salmo 48:14)

Verdadeiramente, “Preciosa é à vista do SENHOR a morte dos seus santos.” Salmo 116:15. Preciosa, sua última prova de amor e confiança; preciosa, sua fé inabalável; precioso o testemunho de sua esperança invencível no mundo prometido que está por vir.

Aqui, no vale aparentemente sem alegria da sombra da morte, o peregrino cansado confirma o apoio e as consolações do evangelho de Jesus Cristo, pois o próprio Jesus Cristo venceu a Morte por todos nós!

Para um cristão, a Morte é feita uma serva. Por seus meios, ele faz uma grande e gloriosa fuga de todos os problemas deste mundo e o transporta para reinos de alegria indescritível! Ele agora contempla anjos celestiais que o aguardam através do brilho da luz do outro mundo. Ó risos alegres e gritos extasiados de outro vitorioso sobre Satanás e pecado através do glorioso evangelho de Jesus Cristo! Na verdade, este é o melhor dia de sua vida!

“Não há um amigo como Jesus
Quando você dá o último suspiro à sua vida.
Se você for amigo dele enquanto viver,
Ele será seu Amigo na morte”.

Querido leitor, você tem este Amigo? Você precisa Dele! Deus tem prazer em salvar e redimir o homem caído, para que ele tenha esperança depois da morte e desfrute as eternas felicitações do céu e a glória indizível de Sua presença para sempre.

Share this post

Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Deixe um comentário