A Salvação de nosso povo

KARA BRAUN

GT-Sept-Oct-2018-1

“Mas este é um povo roubado e saqueado; todos estão enlaçados em cavernas, e escondidos em cárceres; são postos por presa, e ninguém há que os livre; por despojo, e ninguém diz: Restitui”.

Isaías 42:22

Neemias podia ver a desolação ao percorrer as muralhas arruinadas da antiga Jerusalém. Seu coração entristeceu quando a história do infortúnio o alcançou pela primeira vez no palácio. Seus ouvidos tinham queimado e seu apetite havia fugido até que sua agitação não pudesse mais ser escondida do rei. Encontrando real favor, ele teve a primeira oportunidade de vir e ver a destruição por si mesmo. E agora era pior do que ele imaginara. O que outrora fora firme foi arruinado. O que outrora fora glorioso era escombros. O que outrora abrigara os exércitos inimigos foi arrancado para que as raposas pudessem brincar. Pilhas de escombros montadas tão alto que você mal podia encontrar um começo para o trabalho de restauração. E pior foi a reprovação. Uma visão mais amarga do que a própria ruína era o modo pelo qual os inimigos de Deus zombavam de Sua face e desprezavam Sua majestade! O coração de Neemias explodiu de vergonha até que sua fúria foi ouvida pelos anciãos de Israel. Até que este muro seja construído e as portas sejam reinstaladas, elas não devem descansar.

Também vemos a destruição no vasto mundo à nossa volta – um povo sendo roubado e despojado, paredes desmoronando e oprimidos desamparados. Talvez a cena da desolação nunca tenha sido pior. Se pudéssemos viajar de país em país e de casa em casa, cada retrato de desespero encheria nossos corações de dor. Não apenas uma nação ou cultura foi afetada, mas o mundo inteiro foi vítima. O dano atingiu os cantos mais distantes da sociedade e afetou tanto jovens quanto idosos. Homens que deveriam ser fortes foram despojados de sua masculinidade. Mulheres que deveriam ser bonitas mudaram seu brilho natural para a beleza artificial. Crianças que deveriam ser inocentes foram contaminadas. Os anciãos que deveriam ser sábios para dar conselhos perderam sua sabedoria e a sociedade sofre. Os governos que deveriam estar protegendo as pessoas estão enganando-os por meio de uma rede de corrupção. As casas que devem fornecer um círculo caloroso de amor e segurança são cheias de engano, conflito e instabilidade. A religião que deveria ter ensinado as pessoas a adorar a Deus juntas, afastou-a da verdade e construiu mais muros entre elas. É um horror ver a pobreza espiritual, a ignorância, a escravidão das fortalezas do pecado e a imensa escuridão do engano. O que o inimigo não conseguiu roubar, matar e destruir?

E ainda, que melhor plataforma do que isso poderíamos demonstrar o amor e o poder de um Deus onipotente? Que cenário poderia ser melhor para exibir Sua gloriosa majestade? Uma grande obra espera por nós. Nós temos a resposta para todos os problemas do mundo. Nós temos a chave que pode libertá-los de suas correntes. O que é necessário são corações para carregar a carga e as mãos para continuar o trabalho.

A vergonha deste mundo é nossa vergonha. Opressão e cativeiro são nossos. Este é o nosso povo fatigando-se na escravidão. Estes são nossos filhos que ficaram órfãos e desamparados. Estas são nossas irmãs e filhas desfilando diante dos olhos de professores pecaminosos. Estas são nossas mães que estão sendo enviadas para fora do lar para trabalhar. Estes são nossos homens sendo emasculados, nossos meninos e meninas perdendo o direito de conhecer sua identidade de gênero dada por Deus. Estas são nossas famílias que estão sendo dilaceradas e deixadas famintas por amor. Esta é a nossa glória que está sendo despojada. Esta é a nossa sociedade que está dividida e desmoronando. Ainda não fomos completamente restaurados. Não apenas nossa pequena comunidade, mas o mundo inteiro é nosso fardo, nossa responsabilidade. A restauração pode e deve começar em nossa família, mas ela não pode realizar sua plena realização até alcançar o mundo.

Nós somos o Moisés escondidos do rei e salvos em um cesto da torrente furiosa que deveria ter sido a nossa morte. Somos a Ester, trazida pela providência divina ao palácio real. O fato de nossa vida ter sido resgatada e de que nossa situação é mais privilegiada do que a de nossos irmãos não nos dá uma desculpa para nos deleitarmos sem pensar em seu bem-estar. Nosso povo está em crise. A mera razão pela qual eles nos criaram foi para a sua libertação. Somos restaurados para que possam ser restaurados. Nós vivemos para poder dar-lhes vida. Alguns de nossos irmãos não sobreviveram às águas, afundaram sob a corrente e foram levados embora. A nossa é a vingança do seu sangue. É nosso dever chorar com os quebrantados até que o rio de lágrimas arrasta a fachada dourada do engano. É nosso dever sangrar com eles até que o campo de batalha encharcado de sangue tenha novas sementes. É nosso dever criá-los em oração diante do trono e depois pegar em armas contra seus opressores até que a imagem que é levantada para mantê-los em cativeiro seja quebrada. É nosso dever tomar as mãos deles; Tire-os da cidade ruinosa e ardente e leve-os para um lugar melhor. Algum tempo na história apresentou ao homem tal oportunidade de heroísmo? Algum tempo exigiu a verdadeira fraternidade tanto quanto agora? É hora de nos levantarmos com Deus para a salvação de nosso povo. Que Deus inspire nossos corações com a mensagem que nos libertará.

Share this post

Deixe um comentário